Tire suas dúvidas acerca da alimentação dos pets!

Provavelmente, você já se pegou com dúvidas acerca da alimentação de seu bichinho.



São tantas informações diferentes por aí, que fica complicado saber o que seu peludinho pode comer e o que não o fará bem.

No entanto, saber o que pode ser ingerido pelos pets faz toda a diferença para que eles se mantenham saudáveis.

Por isso, vamos esclarecer alguns pontos que geram dúvidas. Continue a leitura!

- Posso deixar o alimento à vontade para o meu animalzinho?

Essa questão é bem recorrente, mas a resposta é: depende. Para cães filhotes e adultos, a recomendação é oferecer, no mínimo, 3 e 2 refeições diárias, respectivamente. Assim, não é indicado deixar o alimento à disposição, já que eles podem ingerir uma quantidade muito superior à recomendada, podendo acarretar em problemas articulares e obesidade.

Além disso, é muito importante que você esteja atento à orientação da embalagem do produto e do médico veterinário.

Já para os gatos, o melhor é que você deixe que eles determinem a quantidade de refeições, mas, é claro, com o acompanhamento do tutor. A orientação geral para filhotes e adultos é disponibilizar a quantidade de alimento diária para que o próprio felino estabeleça o número de refeições adequado às suas necessidades. Sendo assim, você precisa se lembrar de que, embora as refeições sejam determinadas pelo gato, é você que deve controlar a quantidade oferecida, tendo, como base, a orientação do veterinário ou da embalagem.

- Animais idosos precisam de rações especiais?

Sim!! Animais idosos costumam apresentar alterações no organismo e isso requer atenção. No caso dos gatos, essas alterações podem resultar em perda de peso, diferente do caso dos cães, em que a tendência maior é de ganho de peso.

Por isso, uma alimentação específica, voltada a esta fase da vida e que leve em conta as necessidades especiais de cada espécie é extremamente necessário, já que representa um cuidado preventivo de saúde, que fará toda a diferença para o bem-estar do pet, além de colaborar para longevidade e qualidade de vida.

- Para gatas e cadelas prenhas, a alimentação deve ser diferente?

A resposta para essa pergunta também é positiva. É necessário que os tutores tenham mais cuidado com a alimentação de fêmeas que estão gerando filhotes. No caso das gatas, os filhotes se desenvolvem linearmente desde o primeiro dia de gestação. Assim, a necessidade de nutrientes é maior, desde o início da gestação. E para que a gatinha tenha todas as suas necessidades nutricionais atendidas, deve ser ainda maior o fornecimento de proteína e de gordura, por exemplo. Além disso, vale ressaltar que é muito importante que esses nutrientes sejam provenientes de fontes de boa qualidade.

Já em cadelas, a situação é diferente. O crescimento do filhote ocorre de forma exponencial, a partir do último terço da gestação. E isso significa que a necessidade da fêmea prenha só aumenta nesse período. É por isso que o tutor deve se preocupar em trocar o alimento somente nessa fase.

Em ambas as espécies, normalmente, um alimento "Super Premium" com indicação para filhotes pode ser uma ótima opção, já que supre perfeitamente todos os nutrientes necessários para a gestação.

E é claro que você pode encontrar esses alimentos no Pet Shop Júnior!!

- Posso dar frutas e legumes para o animal?

Muita gente acha que está liberado o fornecimento de frutas e legumes, mas a verdade é que depende. Para ser adequada e atender às necessidades dos peludinhos, uma dieta caseira precisa ser formulada, balanceada e reavaliada, periodicamente, por um médico veterinário nutrólogo ou zootecnista.

E é claro que, além disso, ela deve ser seguida com total precisão pelo tutor a longo prazo, o que pode ser bastante difícil de ser feito. Por isso, tenha bastante responsabilidade ao optar por esse tipo de alimentação, uma vez que, se não feita da forma correta, passa a não ser mais uma opção saudável.

Assim, vale a pena destacar que uma dieta desbalanceada e com consumo de alimentos caseiros sem a indicação de um profissional especializado na área pode prejudicar seriamente a saúde do bichinho, provocando diversos problemas que incluem até mesmo o comprometimento nas articulações, a desnutrição, o retardo no crescimento ósseo, obesidade, e vários outros.

- Castração engorda mesmo?

Não! O que ocorre é que, após o procedimento de castração, a tendência é que os animais fiquem mais sedentários e apresentem aumento no apetite. Isso significa que, se o tutor fizer as adaptações necessárias para essa fase da vida, o procedimento, por si só, não implica no aumento de peso ou em quadros de obesidade. Desta forma, é necessário que animal receba uma alimentação específica para castrados e que seja estimulado a uma rotina atividades e brincadeiras para gastar energia.

Por isso, nada de se conformar com o mito de que a castração engorda. O papel de não deixar que seu bichinho tenha a sapude comprometida é seu! Portanto, opte pelos alimentos corretos: os específicos para animais castrados são completos e balanceados, atendendo a todas as necessidades dos pets que passaram pelo procedimento de castração.

E não se esqueça de estimular a atividade física para promover o balaço energético negativo e prevenir o ganho de peso ao longo do tempo.

- O leite de vaca está liberado para cães e gatos?

Depende. Ao longo da fase de crescimento, o organismo dos cães e dos gatos apresenta uma diminuição na produção da enzima "lactase", a responsável por digerir a lactose no intestino. Isso significa que, quando adultos, muitos tornam-se intolerantes à lactose. Desta forma e com essa condição, a ingestão de leite pode causar problemas como diarreia, vômito e cólicas. Portanto, na maioria dos casos, não é recomendado que cães e gatos tomem leite de vaca.

Todavia, se o animal já mantém o hábito de tomar o leite mesmo após o desmame, é comum que o organismo dele tenda a se adaptar a esse hábito. Assim, nesses casos, é provável que a ingestão do leite não cause problemas. Mas atenção: ainda assim é importante que o tutor monitore o consumo e fique bem atento a qualquer sinal de mudança. Em caso de dúvida, você deve consultar um veterinário. E é claro que a veterinária do Pet Shop Júnior está à disposição!

- É verdade que a ração deve ser sempre a mesma?

Isso é um mito! Os alimentos comerciais são formulados com diferentes combinações de ingredientes de alta qualidade e o objetivo é atender às necessidades específicas de cada fase da vida do animal. É por isso que, na verdade, é comum e até mesmo necessário que a ração se adeque a cada fase, sendo preciso que ocorram mudanças.

E é importante ressaltar que essa mudança para um alimento específico deve ser feita de maneira gradual e cuidadosa. Siga as orientações da embalagem do produto e do veterinário.

Agora que muitas dúvidas foram esclarecidas, cuide bem da alimentação de seu pet e não se esqueça de compartilhar informações importantes como essas, com outros tutores, para que os animais tenham sempre a qualidade de vida que merecem!